Distopia

Erratas Possíveis das Fichas de Personagens Saltadores/Jumpers de Wild Cards/Cartas Selvagens para 3D&T

Postado em Atualizado em

Wildcards8A série Wild Cards/Cartas Selvagens é desaconselhável para menores de 18 anos!

Adaptação sem fins lucrativos:

Rodrigo Rosas Campos

Eu, Rodrigo Rosas Campos, errei feio, errei rude! Na verdade, a troca mental de Mega City para 3D&T corresponde exatamente ao poder dos saltadores descrito no livro 8 da série Wild Cards, publicada em 2017 pela Leya/Omelete.

Seguem as fichas corrigidas dos saltadores para o sistema 3D&T. Não se preocupem, as informações a seguir não podem ser consideradas spoilers!

Leia o resto deste post »

Anúncios

[Resenha #141] Wild Cards Livro 8 Luta de Valetes – a Entrada de Chris Claremont na Mesa de RPG de George R. R. Martin

Postado em Atualizado em

Wildcards8Desaconselhável para menores de 18 anos!

Você é maior de 18? Ok. Mas aviso: Este volume exige a leitura dos anteriores!

Alerta de spoilers eventuais!
É o oitavo volume de uma série de livros de romances mosaicos iniciada nos anos 1980, mas que nunca fora publicada em sua forma original no Brasil antes de 2013. Spoilers são, eventualmente, inevitáveis! Só a menção de personagens antigos já demonstra que eles não morreram até o volume 7. Esteja avisado(a)!

Leia o resto deste post »

Garimpando Em Gibiterias: Cartas Selvagens da Epic pela Editora Globo

Postado em Atualizado em

CartasSelvagensHQEncO mercado de quadrinhos no Brasil é muito fraco, sejamos honestos. Lá fora, grandes obras permanecem em catálogo permanente tal como livros clássicos. Os editores de quadrinhos nacionais são bem imediatistas e até mesmo obras como Watchmen e Maus ficam difíceis de encontrar de tempos em tempos. A série “Garimpando em Gibiterias” fala de quadrinhos que valem a pena “garimpar” em gibiterias, sebos, estoques antigos de livrarias virtuais e, se a grana estiver muito curta, em bibliotecas públicas. Sim, existem quadrinhos em bibliotecas públicas, é só procurar.

A pedra garimpada de hoje é Cartas Selvagens da Epic que saiu pela editora Globo aqui no Brasil.

Leia o resto deste post »

Projeto Mulheres Perigosas Conto a Conto: Parte 18 – Anunciando a Pena de S. M. Stirling

Postado em Atualizado em

 

MPRodrigo Rosas Campos

Sempre Lembrando

O livro como um todo é desaconselhável para menores de 18 anos.

Há uma versão digital de Mulheres Perigosas, a menos que você queira muito o físico por este ou aquele conto, ou que você seja um colecionador de tudo o que se refere a Crônicas de Gelo e Fogo, vale mais a pena comprar o e-pub.

Mulheres Perigosas é um livro de contos de vários autores, organizado e editado por George R. R. Martin e Gardner Dozois. Foi publicado no Brasil pela Leya/Omelete, em 2017 com 736 páginas, 21 histórias, 21 autores. Cada conto é uma história diferente. Esqueça as donzelas em perigo, todos trazem mulheres como protagonistas fortes e ativas.

Leia o resto deste post »

[RESENHA#121] O Homem que Caiu na Terra, de Walter Tevis

Postado em Atualizado em

images.livrariasaraiva.com.br.png
Título:
O Homem que Caiu na Terra
Autor: Walter Tevis
ISBN: 9788594540058
Ano: 2016
Páginas: 224
Editora: DarkSide Books
Informações: Skoob / Goodreads
Compre aqui: Submarino / Saraiva / Cultura / Amazon

Sinopse: O Homem que Caiu na Terra tornou-se um verdadeiro clássico da literatura e uma das mais refinadas, sutis e delicadas ficções científicas já escritas. Publicado originalmente em 1963, ganhou reconhecimento em todo o planeta com a adaptação para o cinema dirigida por Nicolas Roeg em 1976. O filme também marcou a estreia de David Bowie no cinema encarnando o protagonista alienígena – para quem o papel parecia ter sido especialmente pensado (o que não foi o caso): um ser andrógino, impúbere, alto para os padrões terráqueos, delicado, magro, polido e que tenta se adaptar à vida terrestre para sobreviver entre os humanos.
Thomas Jerome Newton veio de Anthea para a Terra em uma missão desesperada para salvar os poucos habitantes que ficaram em seu longínquo e desconhecido planeta. Para isso, precisa construir aqui uma nave que possa trazer os 300 de sua espécie que ainda vivem em um planeta onde a água acabou e os recursos são cada vez mais escassos.
Com conhecimento e inteligência muito superior aos humanos, Newton logo se torna um bem sucedido empresário do ramo de patentes tecnológicas e também descobre a solidão, o desespero e o álcool – criando uma delicada parábola sobre as mudanças que estavam ocorrendo entre os anos de 1950 e o início da Guerra Fria.
Escrito com vigor e com uma prosa carregada de tensão poética, Walter Tevis produziu uma das ficções científicas mais realistas sobre um alienígena que vai absorvendo o dia a dia, o jeito e os vícios humanos pouco a pouco. Realista o suficiente para se tornar uma metáfora daquilo que todos nós carregamos: uma indescritível angústia e solidão existencial. Leia o resto deste post »

Projeto Mulheres Perigosas Conto a Conto: Parte 12 – Eu Sei Escolhê-las de Lawrence Block, Parte 13 – A Garota no Espelho (ou a versão da Murta que Geme) de Lev Grossman & Parte 14 – Segundo Arabesque, Muito Lentamente de Nancy Krees

Postado em Atualizado em

MPRodrigo Rosas Campos

Resolvi postar três partes (contos) do projeto Mulheres Perigosas de uma vez. O primeiro conto abordado hoje segue a melhor, ou pior, tradição de crimes de mundo cão, ou, em termos mais familiares a nós, brasileiros, a vida como ela é… Ele me obriga MESMO a deixar este aviso: desaconselhável para menores de 18 anos.

Leia o resto deste post »

[RESENHA#116] Fahrenheit 451, de Ray Bradbury

Postado em Atualizado em

images.livrariasaraiva.com.br
Título:
Fahrenheit 451
Autor: Ray Bradbury
ISBN: 9788525052247
Ano: 2012
Páginas: 216
Editora: Biblioteca Azul
Informações: Skoob / Goodreads
Compre aqui: Submarino / Saraiva / Cultura / Amazon

Sinopse: Imagine uma época em que os livros configurem uma ameaça ao sistema, uma sociedade onde eles são proibidos. Para exterminá-los, basta chamar os bombeiros – profissionais que outrora se dedicavam à extinção de incêndios, mas que agora são os responsáveis pela manutenção da ordem, queimando publicações e impedindo que o conhecimento se dissemine como praga. Para coroar a alienação em que vive essa nova sociedade, as casas são dotadas de televisores que ocupam paredes inteiras de cômodos, e exibem “famílias” com as quais se pode dialogar, como se estas fossem de fatos reais.
Este é o cenário em que vive Guy Montag, bombeiro que atravessa séria crise ideológica. Sua esposa passa o dia entretida com seus “parentes televisivos”, enquanto ele trabalha arduamente. Sua vida vazia é transformada quando ele conhece a vizinha Clarisse, uma adolescente que reflete sobre o mundo à sua volta e que o instiga a fazer o mesmo. O sumiço misterioso de Clarisse leva Montag a se rebelar contra a política estabelecida, e ele passa a esconder livros em sua própria casa. Denunciado por sua ousadia, é obrigado a mudar de tática e a buscar aliados na luta pela preservação do pensamento e da memória.
Um clássico de Ray Bradbury, “Fahrenheit 451” é não só uma crítica à repressão política mas também à superficialidade da era da imagem, sintomática do século XX e que ainda parece não esmorecer.
Leia o resto deste post »