[RESENHA#64] Por Um Toque de Ouro, de Carolina Munhóz

Postado em Atualizado em

POR_UM_TOQUE_DE_OURO_1428527498444024SK1428527498B.jpg
Título:
Por Um Toque de Ouro

Autor: Carolina Munhóz
ISBN: 9788568263082
Ano: 2015 
Páginas: 272
Editora: Rocco
Informações: Skoob / Goodreads
Compre aqui: Submarino / Saraiva / Cultura / Amazon

Sinopse: Depois do bem-sucedido O Reino das vozes que não se calam – criado em parceria com a atriz Sophia Abrahão e desde o lançamento na lista dos mais vendidos de ficção nacional da Nielsen – a escritora Carolina Munhóz apresenta Por um toque de ouro, que abre a Trindade Leprechaun, sua primeira trilogia, inspirada nas lendas irlandesas. Ambientado na Dublin contemporânea e protagonizado por uma jovem ligada ao mundo fashion que descobre ser herdeira de uma rara linhagem de seres mágicos considerados guardiões de potes de ouro, Por um toque de ouro é um romance de fantasia urbano e contemporâneo.


Bem, eu ganhei esse livro há pouco tempo e deixei ele lá na minha lista infinita de “vou ler”. Como neste final de semana estava querendo uma leitura rápida, de um dia, peguei e joguei pra rolo.

Esse livro é o primeiro de uma trilogia (que não continuarei lendo, que fique claro) sobre a mitológica história dos Leprechauns. 

Nesse livro, ambientado na Irlanda, uma princesinha rica, estilo Paris Hilton, vive sua vida regada a dinheiro, bebidas, baladas e sorte. Muita sorte! Sua família tem um império, do qual se levantaram praticamente do nada e Emily, consegue sempre tudo o que quer.

Em uma festa em comemoração ao dia de St. Patrick, Emily acaba ganhando uma bolada significativa na mesa de Pocker e para comemorar, se esbalda em bebida e música, ao lado de seu amigo e fiel escudeiro, Darren.

Em algum momento dessa festa, Emily se vê sendo imprensada na parede por um rapaz ao qual chama de “barbicha”, e o mesmo a segura de forma agressiva e arranca sua calcinha. É um estupro. Emily se desespera, mesmo morta de bêbada e no momento em que ela grita um “NÃO!”, o barbicha voa e se encontra arremessado ao outro lado da parede.

Emily fica intrigada, mas deixa passar, afinal estava bêbada. Pode ter sido coisa de sua imaginação. Alguns dias se passam e ela vai ao casamento de uma amiga e conhece Aaron. Aaron é um britânico que a trata de modo grosseiro e não está nem aí pra ela. Emily de cara o acha arrogante. Mas mesmo assim, não consegue tirar aquele homem lindo, charmoso e gostoso de sua cabeça.

E é nesse dia que sua sorte começa a mudar, quem sabe, para sempre?! O engraçado desse livro é que Emily encontra um semelhante. Aaron tem as mesmas características de Emily. Emily é uma personagem tão chata, que eu fiz uma listinha das qualidades dela…

Emily é: mimada, fútil, se acha melhor que os outros, quer sempre ser o centro das atenções, vazia, irresponsável, inconsequente, egoísta, não se importa com o sentimento dos outros, esnobe e burra.

E o Aaron é bem parecido. Só não é burro. Isso ele não é nem um pouco!

Pra vocês terem noção, eu sempre coloco alguns trechos do livro. Mas dessa vez eu resolvi colocar só um, mas esse um vai dar a ideia do que eu estou querendo dizer…

“O professor , porém, chamou-a de lado:
– A senhorita pretende voltar amanhã?
Emily se viu pega de surpresa.
– Não gosto de pensar no amanhã. Prefiro sempre viver o momento, mas acredito que sim, professor.
– Você é uma das melhores atrizes desta turma, srta. O”Connell. Um verdadeiro talento. Adoraria coloca-la no papel principal para a apresentação de final de semestre, mas, se continuar faltando desse jeito, não poderei decidir a seu favor.
Emily sentiu-se  lisonjeada com o convite, mas estava acostumada demais com elogios e não soube expressar seu interesse de modo apropriado.
– Se o senhor concorda que sou a melhor desta turma, então por que não? Não é mais fácil me dar o texto e eu apenas aparecer?
Seu tom arrogante tocou em algum ponto do professor. Ela notou o espasmo subindo pela coluna dele e o punho sendo fechado.
– A senhorita realmente acha que esta instituição é uma piada? Que por causa do seu sobrenome vai passar na frente de pessoas realmente interessadas? Seu comportamento me revolta, srta. O’Connell! Estou profundamente decepcionado. Se este curso não lhe interessa de verdade, você está apenas ocupando a vaga de alguém.
A explosão do mestre a deixou constrangida, mas Emily não quis demonstrar fraqueza. Precisava preservar sua reputação.
– Já mostrei a minha paixão pela arte neste tablado, senhor! Não teria entrado neste curso se não fosse por isso. Todos sabem que não preciso de formação para ter um futuro, mas mesmo assim estou aqui. Isso deveria dizer alguma coisa sobre o meu interesse.
– Isso me diz que continua se apoiando de mais em seu sobrenome – bufou ele. –Se você quer ser a protagonista da peça, terá que vir para as aulas e também para os ensaios gerais fora do horário da disciplina. Vai precisar se esforçar.
–Quem vê acha que essa peça de teatro universitário poderia me dar um Oscar – ironizou a garota.
O professor se manteve em silencio. Muitas alunas como aquela haviam passado por sua sala durante seus vinte e cinco anos de ensino. Considerando um dos melhores atores de tablado da Irlanda, ser-se desrespeitado daquela maneira era cruel.
– É triste ver você desvalorizar uma arte tão sensível como essa – resmungou o homem. – Eu me decidi: a senhorita não participará mais de minhas aulas. Se não trancar a disciplina, será reprovada. Tenha uma boa vida srta. O’Connell.
Emily não soube como reagir. Esperou o professor deixar a classe e colocou de volta os óculos de sol, saindo o mais rápido possível. Por que mesmo tinha se levantado da cama? Perdera horas de sono e mais tarde ainda teria que ir a um casamento estúpido. Agora, demoraria horas se arrumando e provavelmente estaria acabada com apenas duas taças de Veuve Clicquot. Quem se casava em dia de semana? Ao menos sua amiga Aoife estaria lá e, finalmente, teria alguém com quem dividir Darren. O amigo surtaria quando descobrisse sobre a briga com o professor renomado, e ela andava cansada de seus ataques.”

Eu não sei se a intenção da autora era esse mesmo, deixar a gente com raiva dela, ou não. Se essa era a intenção, beleza! Ela conseguiu! Emily é um ser insuportável.

Eu achei o livro bem chato, e um dos maiores motivos foi o fato da autora fazer questão de mostrar pra gente que ela sabe muito bem sobre o lugar que ela está escrevendo. É muito detalhe de lugares, pontes, restaurantes, boates, nossa, de tudo. Chegou ao cúmulo de levar uma página frente e verso só para descrever um castelo ao qual a Emily foi pra se encontrar com o namorado. É chato!

Outra coisa a me deixar muito confusa, foi a narrativa em terceira pessoa. É muito confuso. Simplesmente às vezes eu não sabia sobre quem estavam falando no momento. Complicado….

Também senti que em certos momentos a história se perdia. Perdia o foco. Ficava dando muitas voltas para chegar no ponto principal, e aí, mais uma vez, dispersava a minha atenção. E pra piorar tudo, no meio do livro eu já sabia o final. A história é extremamente previsível. Acho que eu ando tendo uma maré de azar bem grande com leituras ultimamente. Esse não é o primeiro livro que não gostei. E em menos de um mês!!

Tá aí um livro que não vou dar continuidade a leitura. Estou aceitando trocas! Huauhauhhua!

Bem, essa foi a minha opinião sobre o livro… E vocês?? Alguém aí já leu? O que acharam??

ana-souza-neo-000


*Resenha de minha autoria, publicado anteriormente no blog http://www.viciadosemleitura.blog.br/

Anúncios

8 comentários em “[RESENHA#64] Por Um Toque de Ouro, de Carolina Munhóz

    Nat disse:
    29 de março de 2017 às 10:39

    Nossa, fiquei impressionada, tinha tudo pra ser bom! Adorei a sinopse, achei a proposta super diferente. Pena que eu tb nao gosto de muito detalhe (a razão de não ter lido as cronicas de gelo e fogo). Infelizmente acho que não é uma leitura que eu gostaria.

    Curtir

    victortadeu15 disse:
    29 de março de 2017 às 11:04

    Olá,

    O livro parece tão bom que cheguei ficar assustado com a sua resenha. Como você disse, talvez a intenção da autora era criar uma personagem chatinha mesmo, mas o fato dela ser muito detalhista me deixa um pouco com medo de ler a obra. Eu não gosto de muitos detalhes, pois me impossibilita de criar o cenário da minha forma e acabo sendo forçado a criar de outro jeito que não me agrada. Infelizmente vou deixar a dica passar e espero que você faça uma boa leitura do próximo livro que for ler!

    → desencaixados.com

    Curtir

    Catrine Vieira dos Santos disse:
    30 de março de 2017 às 09:55

    OOi!
    Confesso que até me interessei pela obra, ois seu resumo ali do início me deixou curiosa sobre o que ira aconteecer mais para frente. porém, sua opinião me desanimou um pouco. Que pena que ele te decepcionou!
    Ainda assim, se eu tiver a oportunidade de lê-lo não irei deixar passar. Quem sabe, com sorte, eu acabe gostando. 🙂
    Beijoos!

    Curtir

    our brave new blog. (@ourbravenewblog) disse:
    30 de março de 2017 às 19:12

    Meu Deus, que horror.
    Eu já tinha olhado torto quando vi a sinopse, essa coisa de seres mágicos… Mas quando vi a personalidade da protagonista, o excesso de descrição e as enrolações, só quis sair correndo hahaha. Nossa, eu não aguentaria. São coisas que eu DETESTO em livros, sendo fantasia então, um gênero que eu não curto nada, certamente não rolaria comigo… Tomara que você consiga fazer a troca hahaha.

    ourbravenewblog.weebly.com

    Curtir

    Michele Lopez disse:
    31 de março de 2017 às 14:35

    Olá,
    Uma pena que o livro tenha sido tão chato e previsível para você.
    A premissa é até que interessante, mas não pretendo fazer a leitura por enquanto pelo fato de ser uma trilogia.
    Quem sabe mais para frente e ele funcione melhor para mim não é?!

    LEITURA DESCONTROLADA

    Curtir

    Sâmmy *SammySacional (@samellabridges) disse:
    31 de março de 2017 às 20:37

    Oi, Ana!
    Antes de mais nada, esse trecho por si só expôs bem a protagonista e, fala sério, se foi intencional, tudo bem, mas eita personagem prepotente, viu? Em geral não me interesso pelos livros da autora, e com personagens assim, então, é que não me interesso mesmo, infelizmente. Complicado lidar com protagonistas assim, ainda mais aliando ao fato dos detalhes que você citou – outra coisa que muito me irrita em leituras, já cheguei a abandonar leituras por me perder demais entre os detalhes e não conseguir me envolver com o enredo propriamente dito. Então, é, não é uma leitura para mim também, rs.
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional.blogspot.com.br ♥
    ♥ DandoUmadeEscritora.blogspot.com.br ♥

    Curtir

    Juliana Xavier disse:
    31 de março de 2017 às 21:53

    Nossa, tinha até curiosidade a respeito desse livro (e da trilogia) mas depois da sua resenha quero passar longe. Esse quote me deixou indignada com essa Emily, mais ainda por eu ser formada em teatro e saber o quanto a gente precisa ralar, ia querer esganar essa criatura. E não sou nada fã de livros previsíveis e tão descritivos.

    Curtir

    Maria Ferreira disse:
    4 de abril de 2017 às 09:17

    Olá, Ana.
    Você está certíssima em não dar continuidade nessa trilogia.
    Eu tenho certeza que no seu lugar eu faria a mesma coisa e muito provavelmente teria a mesma reação. A Emily já me irritou muito nesse trecho que você separou e outra coisa que não me agrada também é o excesso de descrições.
    Abraços.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s