[RESENHA#62] Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice

Postado em Atualizado em

ENTREVISTA_COM_O_VAMPIRO_1394246743B
Título:
Entrevista com o Vampiro

Autor: Anne Rice
ISBN: 9788532501028
Ano: 2009
Páginas: 334
Editora: Rocco
Informações: Skoob / Goodreads
Compre aqui: Saraiva / Cultura / Amazon

Sinopse: O clássico livro que inaugura As Crônicas Vampirescas traça o painel de um mundo habitado por seres para quem paixões dilacerantes, mecanismos cruéis de dependência e banhos de sangue são a regra, nunca a exceção. O romance de Anne Rice encontrou em Clarice Lispector uma tradutora à altura. Intérprete sensível, Clarice é uma razão a mais para se ler essa narrativa vampiresca em que a fantasia está solta, mas a realidade espreita por trás do gótico, do terror e do rasgadamente romântico.


Gente, sou extremamente suspeita para fazer essa resenha… Vou explicar por que. Apaixonei-me por essa história quando eu tinha mais ou menos uns 14 anos e comecei a me aventurar no submundo das locadoras, e lá, num cantinho, resolvi alugar o filme Entrevista com o Vampiro

capa_4573Sei que muitas pessoas odiaram o filme, mas compreendam o meu lado, eu tinha só 14 anos e num mesmo filme tinham os 3 top-tops do momento: Brad Maravilhoso Pitt, Antônio Caliente Bandeiras e Tom Muso Cruise… Eu PRECISAVA ver, né gente?! Estava nem aí pra história! Contudo, pasmem! Eu AMEI o filme e confesso que o tenho até hoje… (Vi mês passado de novo… Meu marido não fica nada feliz com isso…)

E aí né gente, a idade foi chegando, e com ela essa minha fome de leitura, e é obvio que a curiosidade bateu e fui conhecer Anne Rice com seu livro Entrevista com o Vampiro.

Antes de começar quero explicar que este livro é o primeiro de uma serie de 12 outros chamado de Crônicas Vampirescas, e que depois de 11 longos anos, a queridíssima, amada, idolatrada salve, salve Anne Rice, lançou pela Editora Rocco, o 13º livro desta saga, intitulado “O Príncipe Lestat”.

Ok, Vamos ao livro! Entrevista com o Vampiro é dividido em quatro partes, e vou começar a falar um pouquinho da primeira parte, na qual descobrimos que o livro gira todo em torno de Louis, que agora, um vampiro com alguns séculos de idade, decide contar sua história a um jornalista que obviamente, no início não acredita em Louis, mas após algumas pequenas demonstrações, não somente passa a acreditar em Louis, como também embarca profundamente nessa história tão magnifica e envolvente.

Louis começa sua história um pouco antes de completar seus 25 anos, algo por volta de 1789 em Lousiana, Mississippi, mais especificamente em Point Du Lac, a fazenda na qual Louis, ainda humano, é o homem da casa e cuida de sua mãe e um casal de irmãos. Esse irmão, tornou-se muito religioso, e Louis acaba construindo uma capela para que assim seja mais feliz e possa se dedicar a religião, uma vez que esse irmão toma por decisão se tornar padre. Porém com o passar de tempo, este irmão de Louis acaba se tornado introspectivo, se trancando por horas na capela, não se comunicando com sua família durante as poucas refeições com as quais ia partilhar. 

O irmão de Louis tinha visões… Às vezes contava para a família, às vezes se isolava ainda mais na capela, até que em certo dia o irmão falou a Louis que teve uma visão no qual a própria Virgem Maria teria vindo a ele e dito que era para vender as propriedades da Lousiana, assim como tudo o que tinham, e usar o dinheiro para servir a Deus na França. Esse irmão deveria ser um grande líder religioso, deveria voltar a França a sua antiga fé, para lutar contra o ateísmo e a revolução. Obviamente Louis foi extremamente contra e seu irmão ficou irritado, uma vez que Louis era o responsável por todo o capital da família e estava se opondo as ordens da própria Virgem. 

Numa noite após uma discussão entre os dois, o irmão de Louis cai escada a baixo e morre. Um trágico acidente que na cabeça de Louis foi causado por ele e logo começa o sentimento de culpa que o transforma em um beberrão, frequentador de prostíbulos, participante de duelos, andarilho de ruas noturnas e desertas… O transforma num ser sem vontade alguma de viver. O transforma num alvo fácil para Lestat. Um vampiro ganancioso e fútil, omisso e sem escrúpulos que dá fim a vida mortal de Louis e lhe ingressa numa nova vida, num novo começo, o transforma num semelhante. Louis vira um vampiro aos 25 anos.

“Andei em ruas e vielas escuras, estava sempre em cabarés. Escapei de dois duelos, mais por covardia e apatia, pois na verdade queria ser morto. E, então, fui atacado. Poderia ter sido qualquer um – eu era um convite para marinheiros, ladrões, maníacos, qualquer um. Mas foi um vampiro. Pegou-me a poucos passos da porta de casa, à noite, e me deixou morto, ou pelo menos foi o que pensei”   – Louis.

Mais tarde entenderemos que Lestat transforma Louis por alguns motivos… Porque ainda vive com seu pai, que é mortal, que é muito enfermo e cego, e ele quer condições melhores de vida para ambos; porque sabe de Louis e de sua condição financeira, e Lestat quer, como diríamos atualmente, “Ostentar!”; e por fim, porque Lestat quer um escravo. E em sua cabeça, ninguém melhor que Louis. 

Logo, Point Du Lac torna-se o novo lar de Lestat e de seu velho pai. E é neste momento que Louis conta para seu entrevistador como foi sua transformação, sua adaptação ao mundo como um vampiro e sua busca cega por informações sobre sua raça. Ele precisava saber se é filho do Demônio pelo fato de ter de ceifar vidas para se alimentar.

“- o mal é um ponto de vista. Somos imortais. É o que temos à nossa frente são os ricos festins que a consciência não pode julgar e que os homens mortais não podem conhecer sem culpa. Deus mata, assim como nós; indiscriminadamente Ele toma o mais rico e o mais pobre, assim como nós, pois nenhuma criatura sob os céus é como nós, nenhuma se parece tanto com Ele quanto nós mesmos, anjos negros não confinados aos parcos limites do inferno, mas perambulando por Sua terra e por todos os Seus reinos”   – Lestat.

Nenhuma dessas respostas ele encontra em seu criador que deveria ser seu mentor, e decide então abandonar Lestat e seguir mundo a fora em busca de suas respostas; mas Lestat é egoísta, Lestat quer Louis para si e então decide transformar Claudia, uma criança de 5 anos que está abandonada após perder a mãe para a peste negra. Ele acha que assim, Louis não iria deixa-lo, devido a seus dilemas éticos aos quais Louis ainda não se desprendeu (Gente é serio… qualquer semelhança com o golpe da barriga é mera coincidência…).

Neste ponto, Louis passa a narrar o crescimento e desenvolvimento de Claudia como vampira. Entendam, ela manterá para sempre o corpo ao qual foi transformada, mas sua mente adquiriu muito conhecimento da vida humana e um domínio extraordinário sobre a vida como vampira. Ela tinha a fome de sabedoria de seu papai Louis e a crueldade para matar de seu papai Lestat.

“E então começaram a acontecer coisas estranhas. Pões apesar de ela falar pouco e ainda ser uma criança miúda e roliça, comecei a encontra-la afundada em minha cadeira lendo a obra de Aristóteles ou de Boécio ou um novo romance que acabara de atravessar o atlântico… Claudia era um mistério. Não era possível descobrir o que já sabia ou não. E vê-la matar era arrepiante”  – Louis.

Com o passar dos anos, Claudia deixa de ser aquela criança calada e passa a ser uma mulher presa naquele corpo de criança e assim começa a procura da verdade por trás de sua transformação. E o resto é historia?! Por que estou quase contando o livro todo e assim não dá, né?!

Caso tenham gostado tanto assim como eu e sigam em frente com a leitura, nos próximos livros saberemos mais sobre a vida de Lestat, sua criação e a razão por trás de todo esse egoísmo. Pra mim é difícil não recomendar Anne Rice como leitura obrigatória pra vida, ela é uma de minhas preferidas! Acho particularmente a escrita dela fantástica, com o seu jeito único de escrever cada evento, cada detalhe das transformações… Acho que o que eu mais gosto nela é o fato de não encher de enfeite os momentos, de falar a verdade de forma nua, crua e objetiva.   

Enfim, vou parar de puxar o saco dela porque já está de mais, né?!

E um recadinho: Para aqueles que acharam o filme horroroso e por isso, não querem ler o livro, não sabem o que estão perdendo! O livro, como de praxe, é muito diferente do filme e o final é surpreendente te deixando com aquele nosso famoso gostinho de quero mais!

ana-souza-neo-000

 


*Resenha de minha autoria, publicado anteriormente no blog http://www.viciadosemleitura.blog.br/

Anúncios

6 comentários em “[RESENHA#62] Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice

    Thaisa disse:
    30 de março de 2017 às 12:27

    Eu também amo o filme e não tô nem aí para o que as outras pessoas acham sobre isso! hahahah
    Preciso desesperadamente ler os livros dessa série. Já me falaram tanto sobre eles! Quero. Necessito. Preciso!

    Beijokas
    Thaisa Lima

    Curtir

    thamirisdondossola disse:
    31 de março de 2017 às 18:54

    Oi, Ana!
    É a primeira vez que ouço falar no livro/filme. Nossa, vendo você falar me senti um ET por não conhecer.
    Eu gosto de histórias que envolvem de alguma forma o universo vampiresco, mas depende muito do momento.
    Enfim, achei sua história com a história (que estranho! Kkkkk) muito bacana.
    Beijos

    Curtir

    Quel disse:
    1 de abril de 2017 às 22:45

    Olá…eu adoro a adaptação ❤ mas confesso que nunca li a obra. Adquiri faz pouco tempo e estou doida pra conferir.

    Gostei muito da sua resenha, parabéns!

    Super beijo

    Curtir

    Aline Coelho Cury disse:
    2 de abril de 2017 às 15:11

    Eu sou fã desse filme e assim como vc já vi muitas vezes e pretendo continuar vendo.
    A autora também é maravilhosa, li muitos anos atrás ‘O Vampiro Armand’ e gostei, na época nem blogueira eu era. Planejo comprar essa ‘pequena série’ e embarcar de cabeça no mundo vampiresco criado por ela.
    Amei sua resenha e já pude perceber algumas diferenças em relação ao filme. Enfim foi ótimo ver esse livro é autora sem igual resenha dos por aqui!!!
    Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!!

    Curtir

    Carol Ramires disse:
    2 de abril de 2017 às 23:18

    Olá!
    Eu sou muito fã do filme e há alguns anos atrás eu morria de vontade de ler o livro, mas não sei porque acabei desistindo e esquecendo. Adorei a sua resenha e poder conferir as suas considerações, deu até vontade de assistir ao filme novamente.
    Beijos.

    Curtir

    Danielle Rodrigues Casquet de Melo disse:
    5 de abril de 2017 às 14:16

    Oi Ana tudo bem, nossa eu adoro o filme Entrevista com vampiro, e infelizmente não tive a oportunidade de ler os livros. Mas é unanime quando o assunto é Anne Rice, sei que ela tem uma escrita empolgante e pretendo um dia ler seus livros. Bjkas

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s