[RESENHA#19]O Vilarejo, de Raphael Montes

Postado em Atualizado em

o-vilarejo-minha-vida-literaria
Título:
 O Vilarejo

Autora: Raphael Montes
ISBN: 9788581053042
Ano: 2015
Páginas: 96
Editora: Suma de Letras
Informações: Skoob / Goodreads
Compre aqui: Submarino / Saraiva / Cultura / Amazon
Sinopse: Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome.
As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.


Não é novidade pra ninguém que não curto muito livros nacionais, porque tive algumas péssimas experiência. Acho, na verdade, que não procurei direito, com mais carinho e atenção. Tá aí uma ideia de coluna. Ana se aventurando na leitura pop nacional! Quem sabe?! Acho que Rodrigo iria curtir a ideia… só acho só… hahuahu

É obvio que temos clássicos da literatura brasileira que já tive o privilégio de ler durante minha adolescência(tô falando assim bonito pra evitar mais brigas com Rodrigo… Apenas…), mas essas leituras mais atuais, não obtive muita sorte mesmo. Não até receber esse livro totalmente enigmático de Raphael Montes.

Esse livro é pra ler numa porrada só! São 98 páginas divididas em 7 partes. Cada parte tem como título o nome de um demônio. Péra, calma que vou explicar direito.

No prefácio do livro, Raphael explica que foi contatado por um dono de sebo em Copacabana, no qual recebeu uma grande doação da neta de uma senhora que faleceu aos seus cento e dois anos. Mais de sete mil livros. E dentre esses, 3 cadernos, muito finos com capa de couro, em um idioma conhecido como cimério, uma língua morta pertencente ao ramo botno-úgrico.
Nesses cadernos, foi percebido o nome “Peter Binsfeld” citado diversas vezes, e em pesquisa, Montes descobriu que Binsfeld era um padre, teólogo e demonologista que viveu em Trier, na Alemanha, no século XVI.

“O velho estava certo. O vilarejo vem sendo dizimado dia após dia. O luto sentou-se à mesa. Ninguém chora os mortos. Não podem desperdiçar energia lamentando a partida dos que não suportaram o frio e a fome. Há duas semanas, Irina, a vizinha da direita, gritou durante toda a madrugada a morte de seu bebê. No dia seguinte, estava morta. Foi burra. Felika não é burra e não se permite sentir pena de ninguém.”

Segundo as informações contidas no livro, O legado mais famoso do padre Binsfeld é a classificação dos demônios, escrita em 1589. De acordo com seu trabalho, cada um dos demônios, os Sete Reis do Inferno, era responsável por invocar um pecado capital nos seres humanos: Asmodeus (luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba).

Viu?! Expliquei! 😛

“Os devaneios se misturam à realidade. Na ficção, a irmã mais velha é uma solteirona solitária. Na vida real, ela é estupidamente feliz e lhe causa uma sensação estranha, algo esfumaçado, uma nostalgia de querer voltar ao antes, de ter Vália brincando com elas, em vez de tê-la a metros de distância com toda a atenção no namorado.”

Então, voltando, cada parte tem como título um desses demônios, e não é por acaso. Pois em cada uma dessas parte, conhecemos a história de um habitante do vilarejo, e nessas histórias, podemos ver a sutil menção aos pecados capitais.

Ao final do livro, descobrimos como todos esses sete pecados se unem de forma surpreendente. Como esses sete demônios se tornam um. E como o desfecho do livro vai te deixar surpreendido e chocado ao mesmo tempo.

Essa foi a minha reação ao término de cada parte do livro. Choque! Não um choque ruim, mas um choque do tipo: “Sério cara?! Não acredito!! Como assim?! Que livro MotherFucker! Que historia foda!“.

Não imaginava que a história seria assim, rápida e avassaladora. Estou chocada! Eu já disse isso né?! Estou chocada!!

“Ele dá um passo e tonteia. A dor é lancinante. Tenta avançar na ponta dos pés. Os garfos nos calcanhares entortam sob seu peso, mas continuam fincados na carne. Ele sente que não vai aguentar. Sente que vai cair e tenta se apoiar na sra. Helga. Ela o despreza, tem repulsa dele. Tenta empurrá-lo para longe, mas o negro revida.”

E antes que eu esqueça, ao final do livro, no posfácio, tem uma revelação, digamos assim, surpreendente! Vale muito a pena!!

Esse livro foi o primeiro, ao qual tive o prazer de ler, e assim, conhecer a escrita do Raphael Montes. Minha primeira impressão dele foi maravilhosa e tenho o orgulho de dizer que estou acompanhando seus livros. Raphael entrou para meu grupinho seleto de autores prediletos e não tenho a menor vergonha de dizer que sou super fãzona, daquelas de parar e pedir autografo e fotos!!

13260052_975931652474915_5148156224612230119_n

                                                                     Olha a prova aí!!! =)

Agora só falta eu conseguir uma foto com meu King…. Mas isso já é conversa para outra resenha….

ana-souza-neo-000

 

 


*Resenha de minha autoria, publicado anteriormente no blog http://www.viciadosemleitura.blog.br/

Anúncios

14 comentários em “[RESENHA#19]O Vilarejo, de Raphael Montes

    Lilian disse:
    25 de outubro de 2016 às 17:38

    Adoro essa pegada sinistra que esse livro tem e somado a sinopse e essa capa diva, só tem um resultado: quero leeer <33 adorei sua resenha, ficou muito bem escrita!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    Curtido por 1 pessoa

    Mychelle Lemes disse:
    29 de outubro de 2016 às 16:58

    Eu nunca li nada do Raphael Montes ainda, mas não paro de escutar coisas maravilhosas sobre os seus livros. Eu fiquei bem curiosa para ler este, pois toda essa coisa de demônios e sua conexão com um vilarejo me intriga. Vou ver se compro em breve e leio.
    Gostei da sua resenha, ri muito devo dizer kkkkkk
    Espero que realmente comece a gostar de livros brasileiros, pois temos muitos livros realmente marvilhosos escritos aqui.
    Bjssss

    Curtido por 1 pessoa

    Sophia Merkauth disse:
    29 de outubro de 2016 às 18:03

    Oi Ana! Tudo bem?
    Não conhecia o livro e é super curtinho! Dá pra ler em um dia tranquilamente! Fiquei interessada, mas no momento não é o tipo de leitura que procuro. Assim como vc, também não curtia muito literatura nacional, mas hj leio muito, acabei descobrindo autores maravilhosos! Adorei seu post! Bj

    Curtido por 1 pessoa

    Kamila Villarreal disse:
    29 de outubro de 2016 às 19:49

    Olá!

    Já vi diversas resenhas positivas desse livro, mas não consigo ter coragem, a escrita dele é muito forte, precisa de estômago, tudo o que não tenho hahahah mas como assim você não curte literatura nacional? Você precisa conhecer os ótimos nomes desse país!

    Curtido por 1 pessoa

    Evandro disse:
    30 de outubro de 2016 às 13:04

    Já tinha lido sobre esse livro e essa resenha só aumentou a curiosidade de ler. O enredo é muito interessante e revelações finais só me deixam ainda mais animado. Não consigo imagina que com tanto assunto ele só tenha 96 páginas. Quanto à literatura nacional, acho que realmente faltou vc procurar dentro do seu gênero preferido para mudar a opinião. Tem coisas muito variadas na nossa literatura e algum livro fará sua cabeça. Raphael Montes é a prova disso. rsrs

    Curtido por 1 pessoa

    Morgana Brunner disse:
    31 de outubro de 2016 às 14:03

    Oiii Ana, tudo bem?
    Menina eu morro de curiosidade em ler esse livro que você nem imagina, até hoje só vi comentários positivos a respeito da obra, super anotei a dica.
    Abraços

    Curtido por 1 pessoa

    Michele Lopez disse:
    1 de novembro de 2016 às 09:32

    Olá,
    Confesso que também tinha um certo preconceito sobre as obras nacionais, mas o meu era infundado pois nem tinha dado chance as obras, foi então que resolvi me arriscar e não tenho encontrado decepções. Li algumas obras muito interessantes e que me cativaram do inicio ao fim.
    Ainda não conheço a escrita de Montes, mas fiquei bem curiosa para ver como esses sete pecados são citados sutilmente no decorrer da obra e também em relação ao desfecho que você diz ser surpreendente.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    Curtido por 1 pessoa

    Driely Meira disse:
    1 de novembro de 2016 às 18:58

    Oiee Ana ^^
    Eu não gosto muito dos gêneros que o Raphael escreve, mas, menina, como eu quero ler os livros dele! Nunca vi UMA resenha negativa sequer, para nenhuma das obras dele. É o suficiente para deixar uma leitora curiosa, né? Saber que você achou o livro incrivelmente foda me deixou ainda mais animada, pois eu estou doida para ler algo foda…haha’
    MilkMilks ♥

    Curtido por 1 pessoa

    Tatiany Salazar (@Tatiany_Salazar) disse:
    1 de novembro de 2016 às 20:34

    Olá.
    Eu também não curtia livros nacionais, na verdade meu caso era mais preconceito mesmo já que ainda não tinha lido nenhum até conhecer o livro da Simone Taietti que é lindo lindo lindo. Fiquei feliz em saber que esse foi o primeiro livro nacional que foi prazeroso para você ler.
    Já li inumeras resenhas desse livro, muitas positivas, e depois da sua acho que chegou minha vez. Sua resenha ficou ótima e fiquei bem curiosa.

    Curtido por 1 pessoa

    Catrine Vieira disse:
    2 de novembro de 2016 às 20:50

    Oi!
    Até o ano passado eu não curtia muito a literatura nacional, mas a verdade que descobri foi que eu não gostava por não ter experimentado “direito”. kkkk É tipo uma comida que na primeira vez você não gosta, já na próxima ama…
    Já vi vários comentários positivos sobre a obra, contudo ele não chamou minha atenção ainda. O enredo não me agrada! haha

    Beijoo!

    Curtir

    Carol Santos disse:
    2 de novembro de 2016 às 22:34

    Olá, Raphael Montes é um dos poucos autor que me arriscar a entrar no gênero terror, sério! O cara é tão bem falado e sempre vejo resenhas boas que acho que devo um dia ler. Confesso que comigo foi ao contrário, sempre tenho boas lembranças e boas história na literatura nacional. Uma hora você se encontra!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    Curtir

    Pensamento Literário disse:
    3 de novembro de 2016 às 20:25

    OI Ana!!

    Primeiro quero dizer que suas experiências com o cenário nacional precisam mudar, tem muita gente boa assim como o Raphael. Segundo já ouvi falar muito desse autor e meu grande problema coma autores nacionais é que tenho grande dificuldade em ler em e-book e os livros tendem a ser mais caros que os internacionais . Todavia essa obra está na minha lista, e sim, pretendo ler, Muito obrigada pela dica e não tem problemas virar fã. Beijos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s